TRADUTOR / TRANSLATER

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sábado, outubro 15, 2011

A Verdade de Invasão Sai do Arquivo X em Minas Gerais

 OBJETOS VOADORES PAIRAM SOBRE MINAS GERAIS EM 1972 PROVOCANDO PÂNICO

                             A VERDADE SAI DOS ARQUIVOS X FEDERAIS, PARA O BRASIL
                       SE ACONTECEU ESTE FATO? CLARO QUE NÃO ERA BRINCADEIRA!
                                                          
                                                             Era Alguém Brincando, Não!
                                                         Era algum evento Astrônomico? Não!
           Era um Evento Atmosferico? Não!
                                                           Era um balão Meteorologico? Não!
                                                                     Era Alucinação? Não!


A verdade sobre invasão de ETs sai do arquivo Testemunhas relatam em depoimentos colhidos em 1972 como teria sido a passagem de óvni em Minas. General chegou a sugerir que governo fizesse acordo com ETs contra invasão

Arnaldo Viana - Estado de Minas


As provas da invasão do espaço de Belo Horizonte e de outras localidades mineiras por supostos discos voadores em julho de 1972 estavam mesmo nas gavetas do Ministério da Aeronáutica. Edison Boaventura, presidente do Grupo Ufológico de Guarujá (SP), conseguiu cópias de depoimentos de testemunhas das aparições, confirmando reportagem publicada pelo Estado de Minas. Um dos documentos contém relato do sargento Raphael Antônio Santarém de Morais, então chefe da torre de controle do aeroporto da Pampulha. Ele não só viu os objetos como recebeu chamados de pilotos de pelo menos três voos alertando sobre as luzes.

A história mais contundente é a do general de Divisão Médica Joaquim Vieira Froes, então na reserva. Ele viajava de ônibus com a família do Rio de Janeiro para Vitória da Conquista (BA). Na BR-116 (Rio-Bahia), perto de Realeza, distrito de Manhuaçu, Zona da Mata, o coletivo foi estudado por cerca de 30 segundos por um objeto voador, na noite de 26 de julho. O militar chegou a sugerir ao país procurar meios de entrar em contato, caso se tratasse mesmo de seres de outro mundo, e propor um acordo para evitar uma invasão. Os relatos, além de confirmar as visões, quebram um silêncio de anos imposto pelo medo da ditadura (as pessoas evitavam comentar o que não podiam explicar).

Os ufólogos conseguiram a liberação dos documentos no ministério amparados pela Lei 11.111/2005. O depoimento do sargento Raphael Antônio Morais foi tomado em 27 de julho. Ele falou que na noite do dia anterior teve a atenção chamada pelo comandante do avião prefixo PP-VJO sobre objetos não identificados no espaço da capital. “Imediatamente, vimos pelo binóculo uma réstia de luz esbranquiçada desaparecer rumo a Nova Lima.” Contou ter recebido chamadas também dos voos SC 107 e Vasp 234 relatando aparições.

O sargento Raphael deu nomes de outras testemunhas: o soldado dos bombeiros de plantão no posto do aeroporto, o rádioamador Paulo Castro (estava de carro na Avenida Prudente de Morais quando viu as luzes) e Edson Alves Rocha. “Os objetos tinham aparência de avião a jato e iluminavam uns aos outros”, disse Edson. Décio Lourenço Pinto, também citado, estava numa rodovia e parou o carro para melhor observar: “Parecia um cardume, todos com rastros luminosos e se movendo em grande velocidade”. Esse relatório foi assinado por José Francisco dos Santos, então chefe do comando da 3ª Zona Aérea, subcomando de Apoio Militar, Divisão de Proteção ao Voo do Ministério da Aeronáutica.

Surpresa O depoimento do general Joaquim Vieira Froes foi tomado na Seção de Informação de Segurança do Ministério da Aeronáutica. Com ele, o genro, sargento Sérgio Augusto Amaral Lima, também testemunha da aparição. “Seguíamos viagem eu e minha família do Rio para Vitória da Conquista, no ônibus 919 da Viação Itapemirim. O tempo estava bom, seco, céu limpo e luar claro, quando eu e minha mulher vimos um objeto voador a uma distância aproximada de dois quilômetros, à esquerda da rodovia (BR-116), a uma altura entre 600 e 800 metros. O objeto voava do oeste para leste, em velocidade que considerei média", contou o militar.

Segundo ele, nos 20 ou 30 segundos que o aparelho levou do ponto inicialmente visto até passar sobre o ônibus, apresentou-se, primeiramente, “como um grande prato côncavo-convexo, de um azul diáfano e brilho intenso”. “Depois, tive a impressão de que ele girou sobre seu eixo e ao parar, instantaneamente, sobre o ônibus, desceu a 400 ou 500 metros, mostrando então, aos meus olhos atônitos, toda a sua face central (côncava).”

“A aeronave ou espaçonave (difícil afirmar com segurança) apareceu nesta posição como um grande e assombroso cromo (coisa do outro mundo, o que não acredito muito), dando a impressão de que havia parado por um instante sobre o ônibus. Devia ter 80 a 100 metros de diâmetro. A estrutura do aparelho era relativamente simples: compunha-se de quatro grandes discos escuros, como se fossem casas de máquinas, aparentemente imóveis, encimados, cada um, por uma cúpula correspondente à quinta parte do tamanho do disco, intensamente brilhante. (...) Os discos apresentavam abertura nos ângulos”, continuou.

Sem medo O general revelou por que resolveu não guardar segredo: “Como há dúvidas sobre a origem desses aparelhos voadores, achei melhor relatar o que vi. (…) Se se trata de artefato de uma potência amiga e sensata, como os EUA, nada temos a temer. Os jornais noticiaram no dia seguinte, 27 de julho, a passagem desses objetos por uma localidade de Minas, distante de Realeza, onde baixou sobre um campo de futebol, em pleno funcionamento. No entanto, se procedem de outros astros, podem se constituir em patrulhas de reconhecimento que há muito nos observam e cada vez se aproximam mais, como fizeram sobre nosso ônibus, o melhor seria procuramos, por todos os meios ao nosso alcance, entrar em contato com esses viajantes do espaço e fazermos um acordo possível, ou, então, continuarmos nosso caminho e imitarmos o avestruz: esconder a cabeça sob as asas e aguardar os acontecimentos”.


DEPOIMENTO
“Tinha 25 ou 26 anos. Eu e amigos fazíamos esculturas na Casa dos Artistas Mestre Amilcar de Castro, em Ouro Preto. Na Praça Tiradentes, fomos cercados por militares armados. Pediram identidades e carteiras de trabalho. Me identifiquei, tremendo, com uma carteira funcional do Palácio da Liberdade, onde trabalhava. Sem ela teríamos sido transportados para o Dops, em BH. Antes e depois do golpe, aprendi muitas coisas e tive contato com pessoas como o governador Magalhães Pinto e o general Mourão. Me sentia na obrigação de manter a ética palaciana, ver, ouvir e nada mais. Não que o sistema político me obrigasse a calar. Fui um dos que viram os objetos e ficaram calados porque não havia ninguém interessado. O falatório no país não se abria para cogitar sobre outra coisa senão da situação militar e a sociedade.” - G.V., UMA DAS TESTEMUNHAS DAS APARIÇÕES EM BH QUE SE RECOLHERAM AO SILÊNCIO

Fonte: http://www.em.com.br

Um comentário:

  1. Chegou o livro mais polêmico e revelador dos últimos tempos!
    = O POMO DE OURO =
    Sinopse: Henrique foi instruído nos mistérios da Maçonaria desde criança e tornou-se um bom Mestre Maçom. Entretanto, por ocasião dos atentados ao World Trade Center, no dia 11 de setembro de 2001, Henrique descobriu coisas tão perturbadoras que fizeram ele se afastar da Maçonaria e isolar-se do mundo, até que sua amiga Eva Cristina foi procurá-lo para ajudá-la a decifrar um código que o pai dela havia deixado numa carta antes de falecer em suas explorações arqueológicas. A partir daí, Henrique se vê obrigado a usar de seus conhecimentos secretos da Maçonaria para ajudar Eva a encontrar e devolver a quem de direito um objeto do qual depende o futuro da humanidade: o pomo de ouro.

    Com uma narrativa dinâmica e envolvente para uma trama repleta de mistério, aventura e reviravoltas, o leitor é apresentado a uma série de contradições envolvendo os atentados de 11 de setembro, se torna conhecedor das mentiras da Igreja Católica e dos mais finos mistérios da Maçonaria, além da interpretação contundente de um conjunto de profecias que parece estar se concretizando a todo o momento em nosso tempo.

    É a leitura mais intrigante, misteriosa e polêmica dos últimos tempos. Um livro único e imperdível!

    LEIA 20 CAPÍTULOS DO LIVRO GRATUITAMENTE NO BLOG:
    http://opomodeouro1.blogspot.com/

    ResponderExcluir